A freguesia de Santa Eulália pertence ao concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Dista da sede concelhia aproximadamente 2 km e está situada na margem direita do rio Arda, entre Arouca e Castelo de Paiva, concelho vizinho. A padroeira da povoação da sua freguesia.

A freguesia de Santa Eulália, a sua gente e os seus monumentos, estes, ainda hoje existentes, têm ligação com Arouca e com o seu mosteiro, sendo que para percebermos melhor essas conexões que já vêm de há muitos e muitos anos, é importante refletir sobre a história do mosteiro e da sua rainha.

“Princesa Desditosa, Padroeira do Mosteiro”

À terra de Arouca deixou seu nome ligado a princesa D. Mafalda, nascida em Coimbra em 1195 e filha de D. Sancho I.

Interesses políticos conduziram ao casamento da jovem com Henrique I, herdeiro do trono de Castela, adolescente ainda e seu primo em 5º grau. Mas a desventurada “rainha” viu em breve anulado o seu casamento com o pequeno “rei”, morto entretanto num acidente ocorrido no palácio.

Regressada a Portugal, D. Mafalda recolhe à clausura e, estabelecida e Arouca, torna-se padroeira do mosteiro, que reforma segundo o hábito cisterciense. Depois de ter consumido os seus vastos haveres em obras de devoção e bem-fazer, faleceu em 1290, no desaparecido Convento de Rio Tinto.

Coo era seu desejo, foi sepultada e Arouca. Ao longo do trajeto do convento para o Mosteiro edificaram-se os curiosos “mormentos” ou “marmoriais”, no sítio onde descansava a burrinha que transportava o esquife. Mais tarde, o seu corpo foi achado incorrupto.

O povo, logo após a sua morte, chamou-lhe Rainha Santa. E de toda a parte vinha gente pedir graças. E juntavam-se ex-votos no seu altar, o que ainda hoje sucede.